Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Penso Rápido

Pequenos Remédios, para as comichões do dia-a-dia.

Penso Rápido

Pequenos Remédios, para as comichões do dia-a-dia.

Das verdades

Do que queremos e do que realmente precisamos.
Do que achamos que é o melhor, e do que, na verdade, é a verdade dentro de nós.
No confronto entre o ser-se e o parecer que é a nossa viagem e dos caminhos que levam até essa verdade de nós mesmos.

Retirado da minha bíblia de sempre.


"No caminho de volta ao ashram, deixo-me tomar pela fantasia de quão silenciosa vou ser a partir de agora. Serei tão silenciosa que isso me tornará famosa. Imagino até que vou passar a ser conhecida como aquela rapariga calada. (...) A minha única interação com os outros será sorrir-lhes beatificamente de dentro do meu mundo reservado de quietude e piedade. As pessoas irão falar sobre mim. Perguntarão: "Quem é aquela rapariga calada ao fundo do templo, que está sempre a esfregar o chão de joelhos? Ela nunca fala. É tão esquiva. É tão mística. Ela é a rapariga mais calada que alguma vez vi."

Na manhã seguinte, estava de joelhos no templo a esfregar novamente o mármore do chão, emanando (assim o imaginava) um aura sagrada de silêncio quando um adolescente indiano veio `a minha procura com uma mensagem - que eu tinha de ir imediatamente ao gabinete do Seva.

(...) a senhora simpática que estava sentada à secretária perguntou-me:
- É a Elizabeth Gilbert?
Sorri-lhe com ar caloroso e assenti. Em silêncio.
Depois, ela disse-me que a minha tarefa fora mudada. Devido a um pedido especial da administração, já não fazia parte da equipa que esfregava o chão. Tinham um novo cargo em mente para mim no ashram. E o título da minha nova função era - apreciem bem - assistente principal. 

Esta era obviamente outra das partidas de Swamiji.
- Querias ser a rapariga calada ao fundo do templo? Bem, adivinha só... 
Mas isto é o que sempre acontece no ashram. Tomamos uma decisão grandiosa sobre o que precisamos de fazer ou sobre quem precisamos de ser e depois as circunstâncias encarregam-se de nos mostrar de imediato quão pouco nos conhecíamos. 

(...) 
- Temos uma alcunha especial para este cargo, sabe? Dizemos que é a menina sorrisinhos porque quem quer que o ocupe precisa de ser sociável e estar sempre a sorrir.
Que podia eu dizer?
Limitei-me a estender-lhe a mão, despedi-me silenciosamente de todas as minhas antigas ilusões e anunciei:
- Minha senhora, sou a pessoa indicada."


As coisas que assustam

As coisas assustam.

Aventurar-se a ser si próprio assusta mal se põe a cabeça cá fora. "Tem a personalidade muito forte, está cheio de manhas... não lhe faças as vontades todas!" E vamo-nos assustando da nossa força, das forças dos que nos rodeiam e a moldagem acontece.

Depois cresce-se e continua a ser assustador ser-se ou não aceite. Seja pelas roupas, pelas falas e conversas certas. Será que estou ou não no grupo? Será que ele ou ela gostam de mim? E se eu digo um disparate e lá se foi o tempo de investimento, de cartas trocadas, mensagens, olhares?

Assusta, ser-se como é porque no caminho às vezes perdemo-nos nas voltas, nas distracções das relações, no trabalho.

Continua-se a caminhar e surgem obstáculos (ou serão desafios?) e a cada momento, em cada encruzilhada há questões por resolver. Porque nos tropeções dos dias, das aventuras e principalmente nas desventuras e desamores há tanto por descobrir. "Porquê a mim? Porquê eu?" Perguntam tantos. Perguntamo-nos todos.

Nas voltas e contracurvas há que ser honesto e apenas parar à beira da estrada e perguntar... as coisas que nos assustam. Os medos, tantos que se lhes perde o conto e a razão.

"There are more scary things inside, than outside." - Paradise

Os medos que nos toldam e não nos deixam gritar a plenos pulmões quem somos, quem queremos ser, quem Merecemos ser. Ser-se honesto consigo e por isso um pouco mais com os outros.

As coisas que nos assustam, são também, aquelas que nos deixam mais perto de quem realmente somos.

Para ver. Para pensar. Nesta dimensão da diversidade, que terá tantas valências quantas as quisermos dar. Para ver Aqui. 










Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub