Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Penso Rápido

Pequenos Remédios, para as comichões do dia-a-dia.

Penso Rápido

Pequenos Remédios, para as comichões do dia-a-dia.

Posso?

Do dia de ontem, e dos emails que se trocam com quem nos preenche tanto os dias, acompanha e está por perto, mesmo estando longe.

O que seguiu:

"Posso faltar ao trabalho e ir correr agora para casa?
Calçar umas pantufas? (deus como tenho os pés frios...)
Enroscar-me no sofá e por lá ficar até o rabo me doer?
Beber chá?
 Posso?
Ficar quieta, quieta que até o pó fique incomodado com a minha lentidão?
E espreguiçar-me, tal preguiça e deixar a tristeza sair, devagar, devagarinho, lentidão profunda.
E ficar por ali assim."
Ela respondeu-me que sim, que poder, poder podia. Mas que no fundo não dava. E eu sabia. Mas fiquei melhor porque às vezes, muitas vezes, falar ajuda a curar.

Imagem aqui.

Acreditar que sim

Instruções de leitura: Ler com esta banda sonora.


Não sei se é universal ou não. 

A música em mim sempre teve este efeito. Não ligo à letra propriamente dita, seja em que língua for. Ligo à língua da melodia, se sobe de tom ou não, as pausas, os ritmos...tudo é respirável. Como se fosse uma linguagem universal que me toca às emoções.

Quem me conhece sabe que as emoções fazem parte do cardápio diário: na profissão, na forma de estar, de ser, de dar, de receber. 

Acho que, por isso mesmo, posso ouvir a mesma música, vezes e vezes sem conta, até ficar enjoadinha, enjoadinha e mesmo assim, insisto até quase vomitar todas as notas. Todas as notas, e não as letras. 

Foi por isso mesmo que vi a apresentação deste filme, no sítio de inspiração de tantos dias e não descansei enquanto não descobri como se chamava esta música. Não sei quantas vezes a ouvi já... 

E ao mesmo tempo que estava a ouvi-la,
estava a ler esta história e como é uma história de determinação, 
de força, 
de coragem, 
história em que a idade não conta, 
nem o número de filhos, 
da dose certa de loucura, 
de ser sempre tempo de começar de novo, 
do nada, 
do sim, 
de muitas vezes sim, 
histórias de acreditar que sim. 

É disso que precisamos mais. Histórias de acreditar que sim.

E sim, chorei um pouco porque me fazem sempre sentido histórias de verdade, de voltar a acreditar que um dia vai ser assim, cortar a meta. As tantas que temos que cortar mas que estamos a adiar. Histórias de acreditar que sim.

Vamos a isto?

























E é isto

No fim e no princípio de muitas divergências.

No princípio e no meio de desentendimentos.

No começo e no terminar de opiniões diferentes.

Pelo meio e pelas curvas das chatices, parvoíces e tontices.

Seja em que idade for. Seja qual for a questão. Quase tudo (ou tudo...), se resolveria assim.

Um bocadinho mais.


Imagem aqui 

Colaboração das boas

As pessoas que nos rodeiam dizem muito de quem nós somos. Aquelas que nos roubam com facilidade sorrisos e acreditares. 

Gente boa à nossa volta, torna-nos melhores. A partilha de energias faz com que se multipliquem e por esse motivo, quando estamos assim rodeados, acreditamos em ver mais além.

Dias que acabam tão bem. Como este dia de hoje em que mais uma parceria boa com a Happy Woman Details resulta na publicação de mais um texto-filho.



3 verdades sobre os outros...Para ver aqui.




Verdade em forma de amarelo

O ano novo foi festejado há uma semana e continua esta vontade de me manter motivada em agarrar este ano pelo gasganete. E como a estrada já tem algum caminho tenho esta certeza de que é preciso alimentar a alma e a vontade, mais ainda do que o corpo. 

Hoje veio parar-me isto às mãos. Uma vontade de todos os dias.



Imagem aqui 

Cá está ele

Surge mais um mês, o primeiro deste meu novo, querido, doce ano. 

No mês anterior fiz uma lista de coisas que ando a adiar para despachar de uma vez, no meio das outras quinhentas e noventa e duas e meia coisas que há para fazer diariamente. Olhando para lá, foi quase tudo feito e estou contente por esta nova forma de agir mais para a frente. 

O que ficou por fazer vai ser acrescentado à lista deste mês que vai ficar pronta este fim-de-semana. Arrumar, na cabeça e no coração o que há para fazer e avançar. 

Aos fins-de-semana acontecem sempre muitas coisas por estes lados: uma casa para organizar e planificar, do que passou e da semana que está para chegar. Ter presente tempo para eles, os meus tesouros e amores. E o meu tempo e espaço que fica sempre no fim da lista e que aos poucos, vai subindo nas prioridades de ser-se feliz.

E vieram parar-me estas ideias giras, deste blog também muito sugestivo, que concilia o prático, com esta coisa boa de se ser mulher, para além de mãe. Fica a sugestão.

Feliz outubro!




Foto aqui 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub